Conheça quais são as 7 estruturas de armazenagem logística

Escolher as estruturas de armazenagens para sua operação é essencial na hora de otimizar o espaço e aumentar a produtividade com foco em alinhar estratégias. Na prática, esse tipo de estrutura desenvolve-se conforme as necessidades logísticas da empresa e está alinhada nas ações de planejamento.

O melhor caminho para o gestor é entender como funciona cada opção de sistema disponível no mercado para que ele se torne um verdadeiro investimento em produtividade. Só assim será possível cumprir prazos com exatidão, conseguir identificar as falhas internas e entender em quais pontos é possível melhorar.

Quer saber mais? Vamos mostrar 7 estruturas de armazenagem logística e seus benefícios. Acompanhe!

Entenda a importância das estruturas de armazenagem

As estruturas de armazenagem ajudam a colocar na ponta do lápis a velocidade de giro das mercadorias e a melhor forma possível de reduzir desperdícios e prejuízos a longo prazo. Antes de qualquer coisa, é preciso deixar claro que existem algumas diferenças entre os conceitos de armazenagem e estocagem. Diante disso, fica mais simples compreender que o armazém se configura como a estrutura do depósito.

Já a estocagem são os produtos colocados no depósito, o que representa que a estocagem acumula os itens no estoque e faz parte de uma das fases da armazenagem. Esta, no entanto, tem um complexo mais amplo de ações. Isso porque envolve cada uma das atividades que acontecem nos depósitos e no centro de distribuição.

Além disso, é responsável pela guarda de vários tipos de estoques. Entre os principais exemplos estão o deslocamento de mercadorias, o conjunto de operações necessárias para gerenciar o estoque, as estratégias de suprir as lojas, cumprir os prazos e atender aos pedidos dos clientes. Dentro desse contexto, as estruturas de armazenagem devem ser pensadas de forma personalizada conforme o tipo de mercadoria e os objetivos do trabalho.

Conheça 7 estruturas de armazenagem na logística

As estruturas de armazenagem disponíveis no mercado devem conectar-se com a intenção de otimizar as decisões internas e manter a operação o mais ágil possível por conta da eficiência na organização. Veja, a seguir, quais são as principais.

1. Porta-paletes

As estruturas de porta-paletes são as opções mais procuradas por quem deseja bom custo-benefício e versatilidade. Aqui, as mercadorias ficam armazenadas em estantes acessadas diretamente por empilhadeiras. Uma das vantagens mais significativas é que a estrutura aproveita bem cada detalhe de espaço disponível no ambiente.

Com o olhar experiente do gestor logístico, em conjunto com o feedback dos colaboradores responsáveis por cada movimentação do setor, é recomendado fazer uma divisão estratégica em categorias selecionadas. São elas:

– corredores mais estreitos para poderem otimizar o galpão de armazenagem;

– transelevadores com foco em cargas que tenham densidade elevada;

– autoportante para o melhor aproveitamento do espaço vertical;

– deslizante que utiliza paletes em blocos e áreas de circulação reduzidas – esse formato é o mais indicado em casos de baixo giro e alto valor agregado.

2. Push-back

O sistema push-back é um dos mais eficientes quando se trata de estruturas de armazenagem. Integrado por sistema, ele é composto por estantes de armazenamento em produtos paletizados. Usa carrinhos instalados em formato de trilhos com estocagem sequencial. A sistemática tem o padrão LIFO (o último item inserido será o primeiro a sair).

De modo geral, o primeiro palete no espaço de armazenagem recebe impulsão do palete em seguida, e assim por diante. Tudo isso até completar a programação do trilho que, em cada tipo de posição de armazenagem, vertical ou horizontal, atua em uma maneira própria de trilhos com operações independentes.

Essa opção é ideal para as empresas que contam com maior densidade de carga. Permite também o aproveitamento de até quatro paletes de profundidade nos variados níveis. Em comparação com outros sistemas utilizados, o push-back permite diminuição bastante significativa na quantidade de corredores, o que faz toda a diferença na movimentação das empilhadeiras.

3. Flow Rack

Trata-se de um sistema de armazenamento manual que atua na operação chamada FIFO (First In – First Out) e tem uma estrutura em forma de fila. Isso é muito importante na otimização de pequenos volumes de mercadorias. Esses sistemas rotativos funcionam por conta da ação da gravidade e tornam o processo de reposição e o manuseio dos produtos mais simples em todos os sentidos.

Aqui, as caixas devem ser colocadas na sequência para serem remetidas de um lado e cheguem para serem recebidas em outro. O processo de montagem é feito em esquemas de rodízios plásticos e sustentado por módulos de porta-paletes. Além de melhorar bastante a forma de organizar as mercadorias, ainda é útil para os itens fracionados.

4. Drive-in

Também atua no sistema LIFO (Last in, First Out) e exige apenas um corredor central. Economiza espaço de manobra e permite o máximo aproveitamento do galpão disponível. É indicado no armazenamento de produtos semelhantes em estruturas, com grande quantidade de paletes por referências e de baixa rotação.

5. Drive-thru

Usa o sistema FIFO e é responsável por eliminar todos os espaços que ficam entre as prateleiras. Precisa de um corredor disponível para a entrada e outro que funcione como saída de mercadorias. Além disso, corredores nas laterais também são essenciais na hora de garantir a movimentação das empilhadeiras.

6. Cantilever

Costuma ser procurado para produtos de dimensões mais compridas. Entre os exemplos estão canos, tábuas e barras. Em sua utilização, saem de cena as prateleiras, e a estrutura funciona com eixos ou braços no apoio às mercadorias. Diante disso, pode precisar de mais espaço na movimentação com o armazenamento pela lateral.

7. Dinâmica

O sistema FIFO, neste formato, chega com um custo mais alto e uma rotação automática de estoques. No processo, a empilhadeira conduz o palete até uma das partes extremas e desliza até a outra, por um formato de pista feita com roletes que atua com redutores de velocidade. São usados dois corredores e, ao mesmo tempo, causa uma alta concentração dos produtos.

Agora ficou claro quais são as estruturas de armazenagem na logística. O mais importante é entender a fundo como funciona a sua operação, as falhas, os custos e os objetivos para identificar qual opção vai ser realmente decisiva no trabalho.

Gostou do post de hoje? Então, continue acompanhando nosso blog, siga-nos nas redes sociais e fique por dentro de mais conteúdos como este.

Entre em contato conosco 📞 (35) 3421-4657 ou 📲 (35) 99903-4786 e conheça nossas soluções em logística.

Compartilhe

Deixe um comentário