Eficiência intralogística para um armazém organizado

O armazém parece ser ótimo! 30.000 metros quadrados, construído no formato retangular, pé direito adequado, espaçamento de colunas projetadas cuidadosamente, possibilitando um layout de bom aproveitamento interno, quantidade de docas suficientes para dar vazão aos fluxos de entrada e saída, mas a operação é um verdadeiro caos!

Baixo índice de aproveitamento volumétrico, produtos mal localizados e sem endereçamento, processo de separação de pedidos desorganizado e lento, baixa produtividade no uso dos equipamentos de movimentação, falta de verificação dos lotes dos produtos, indicando total descontrole das atividades intralogísticas.

Como assumir o controle e ter foco na solução de tais problemas?

Muitas empresas começam revisando os dados básicos do armazém e de sua operação e, embora isso tenha que ser feito, é importante priorizar a revisão dos seguintes conceitos: Classificação PQRS, Supermercado para separação de pedidos, Mapeamento das atividades de movimentação, Análise do aproveitamento de espaço de armazenagem (estruturas, pé direito), Gestão do FEFO/FIFO e Avaliação dos fluxos e movimentos dos equipamentos.

Classificação PQRS

Uma das armadilhas mais comuns encontradas nas operações dos armazéns é a excessiva distância entre as docas e as localizações dos produtos mais populares (alta demanda). As unidades em estoque (SKU´s) devem ser classificadas segundo o critério PQRS, que representa a frequência com que são coletados para atender os pedidos e normalmente, seguem o mesmo conceito do diagrama de Pareto, ou seja, 20% do total de SKU´s, representam 80% da frequência de retirada pelos separadores e são classificados como “P” e devem ser armazenados o mais próximo possível das docas ou dos locais de atendimento. Os 80% restante, que contemplam somente 20% da frequência demanda de pedidos, podem ser armazenados em locais menos privilegiados e os SKU´s classificados como “S” – que não tiveram nenhum movimento ou nenhuma saída nos últimos 12 meses, podem ser armazenados em locais menos acessíveis.

A classificação PQRS permite a otimização das operações de coleta de materiais e afeta diretamente o resultado por meio de redução de deslocamentos, menor fadiga dos separadores, maior produtividade, redução do consumo de combustível/energia e até possíveis reduções de pessoal.

Supermercado para separação de pedidos

Armazéns que possuem um grande número de SKU´s e o perfil dos pedidos é de poucas unidades ou poucas linhas de pedido, são fortes candidatos ao uso do conceito do Supermercado para separação dos pedidos.

O conceito do Supermercado para separação de pedidos, também chamado de separação avançada, reduz a distância e o tempo de deslocamento no processo de coletar os pedidos, facilitando a aplicação da metodologia de “Ondas de Separação”.

Uma Onda de Separação é composta por todos os pedidos que requerem embarque em um determinado período de tempo, normalmente entre 3, 6, 12 ou até 24 horas.

Esse agrupamento de pedidos, gera uma “Lista Mestre” e resume por SKU, todas as quantidades de separação necessárias no tempo especificado, possibilitando que os separadores coletem embalagens completas ou até paletes completos e economizem tempo e distância.

A separação avançada maximiza a eficiência na coleta dos pedidos por meio do posicionamento mais adequado dos SKU´s e melhor controle sobre a equipe.

Dupla tarefa

É muito comum que a maior parte das viagens realizadas por equipamentos ou a pé (carrinhos hidráulicos, transpaleteiras, empilhadeiras etc.) é improdutiva. Por exemplo, um operador de empilhadeira movimentando uma carga de um ponto da área de recebimento para um local de armazenamento normalmente retorna ao recebimento vazio. Dessa forma, o operador é produtivo apenas 50% do tempo.

A solução vem na forma da Dupla tarefa, que permite ao operador usar a parte de volta da viagem de maneira mais produtiva, como movimentação interna de produtos ou reabastecimentos do Supermercado. Mover um produto para uma doca de embarque na viagem de volta melhora muito a eficiência do operador, principalmente se as distâncias percorridas no armazém forem grandes.

A Dupla tarefa pode ser realizada de duas maneiras – manualmente ou com a ajuda de um WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazém). O uso do software facilita o trabalho por ter a informação integrada para determinar qual será a próxima melhor movimentação “ideal”, reduzindo substancialmente os custos e os tempos de deslocamento em até 50%. A otimização manual será um pouco mais trabalhosa e poderá ter menor percentual de utilização, mas ainda assim, reduzirá o trabalho e os tempos de deslocamento.

Garfo duplo

Aumentar o número de cargas transportadas reduzirá tanto a frequência de viagens dos equipamentos de movimentação no armazém quanto o número de vezes que o produto é movimentado.

A quantidade de cargas transportadas dependerá da capacidade de peso e altura de elevação dos equipamentos, sejam eles empilhadeiras ou transpaleteiras.

Tem se apresentado com muita frequência, o uso de transpaleteiras com garfos longos, para transportar até 3 paletes em uma só viagem e o uso de garfos duplos para empilhadeiras já é bastante frequente em armazéns de empresas fabricantes de bebidas.

Em qualquer uma das atividades – movimentação horizontal através de transpaleteira ou estocagem com garfo duplo na empilhadeira, a segurança deve ser a principal prioridade. Certifique-se de que a visibilidade para os operadores seja adequada durante as movimentações. A integridade dos produtos movimentados também deve ser mantida garantindo que a carga esteja estável durante a movimentação e a estocagem.

Armazenagem

O alto investimento na construção e manutenção de um armazém, exige uma forte abordagem para otimizar o espaço de armazenagem disponível.

Se o seu armazém utiliza conceitos convencionais de armazenagem, por exemplo, Blocagem, estabeleça e mantenha critérios específicos de capacidade de empilhamento para cada tipo de SKU.

Se a capacidade atual de empilhamento de um determinado SKU são 2 paletes, avalie a melhoria do método de paletização ou a modificação do arranjo de carga ou ainda a colocação de um separador (tipo “chapatex”) entre as cargas, que permitirá o aumento do empilhamento em mais um nível.

Como sempre, é importante manter os mais altos níveis de segurança durante os testes e a implementação do novo conceito.

Uma alternativa, é utilizar estruturas de estocagem para aumentar a utilização do espaço com a verticalização do estoque. Embora, inicialmente possa parecer um alto investimento, o melhor uso do espaço do armazém e a otimização dos fluxos, trará retorno significativo.

Controle de lote

Dependendo do tipo de produto armazenado, o controle de lote pode desempenhar um papel crítico no layout e na operação do armazém.

Os típicos Sistemas de Gerenciamento de Armazéns (WMS) devem não apenas rastrear com precisão o movimento dos produtos dentro do armazém, mas também gerenciar o status de cada lote de recebimento.

Do ponto de vista de otimização de armazenagem, a concepção do layout do armazém também deve considerar os tamanhos médios dos lotes por SKU (em paletes) para que os comprimentos das estruturas de armazenagem se aproximem do tamanho médio do lote ou de algum múltiplo ótimo do tamanho do lote.

Produtos que tenham quantidades de tamanhos de lote maiores e demanda mais popular (classe P) permitirão padrões de estruturas de estocagem mais profundas, o que por sua vez, irá melhorar a utilização e a densidade de armazenagem.

O tamanho dos lotes e o número de SKU´s também determinarão o método de armazenagem mais adequado. Um número maior de SKU´s com tamanhos de lotes de recebimento menores poderá justificar o uso de estruturas de uma única profundidade (porta paletes convencional) ou no máximo dupla (porta paletes dupla profundidade), enquanto para lotes maiores poderão ser avaliadas as aplicações de estruturas tipo Drive-In, Drive-Through ou até mesmo, Flow Rack.

Conclusão

O Armazém, Depósito ou Centro de Distribuição representa um elo de suma importância para a Cadeia de Abastecimento. Não só por gerar custos para a Logística, que por sua vez impactará na Competitividade da Empresa, mas em função da sua Missão que é garantir o abastecimento dos clientes.

O conhecimento e implementação de melhores práticas, que visam aumentar a produtividade e a qualidade das operações de intralogística, bem como melhorar o Nível de Serviço aos Clientes, trará impactos positivos para o resultado do negócio, aumentando a sua Competitividade.

Entre em contato conosco 📞 (35) 3421-4657 ou 📲 (35) 9 9819-9092 e conheça nossas soluções em logística.

Gostou do post de hoje? Então, continue acompanhando nosso blog, siga-nos nas redes sociais e fique por dentro de mais conteúdos como este.

Compartilhe

Deixe um comentário